Seus discos sem ricos e sem surpresas na hora de usar

Todo mundo conhece aqueles cuidados de manuseio, que prolongam para mais de cem anos, o uso de um mesmo CD (1979), DVD (1995) ou BD (1998). Mas pouca gente sabe que determinadas capas ou embalagens, causam danos aos discos de diversas capacidades.

Depois de perder alguns bons discos, mesmo tomando todos os cuidados, aprendi durante os anos de uso, que o pior dano pode ser um tipo de resina, que adere ao disco de maneira praticamente permanente, colocando a perder aqueles guardados em envelopes totalmente plásticos. Para arranhar ou comprar um disco arranhado, basta adotar o uso de envelopes em papel grosso prensado, pois este tipo de embalagem costuma ter fiapos de papel, e em muitos momentos, retirei discos que seriam virgens, um pouco arranhados. E quem “sempre” comprou compactos musicais, sabe: aquelas capas “cristal” com os dentes de suporte quebrados acabam com o produto, que era para estar novo; assim como os giros do disco em qualquer capa com os dentes de suporte quebrados, que causam ranhuras circulares: as piores para qualquer leitor óptico. E os “cases” com envelopes sem feltro? Podem causar aquelas ranhuras pouco espessas, mas que com o tempo e a quantidade, transformam o lado cristalino em fosco.

Entretanto, se você quiser manter seus originais ou gravados, as capas “cristal slim” costumam ser muito seguras, pois seus dentes de suporte raramente quebram; os envelopes de papel comum, mesmo que tenham um lado transparente, raramente arranham; as capas conhecidas como “box” e “box slim” oferecem um bom distanciamento do lado prensado ou gravado, o que em geral garante a integridade do disco; para quem tem muitos discos, os pinos normalmente usados para a venda de mídias virgens, podem ser perfeitos, desde que bem limpo, o lado da etiqueta de cada disco.