Testando sua conexão com a Internet

Sabia que você não precisa de um site para testar a estabilidade e qualidade da sua conexão? Nem tudo é velocidade nas tecnologias de rede, e este pequeno tutorial pode ser de grande ajuda quando sua Internet parecer estranha.

1. Abra a linha de comando

Para abrir a linha de comando (sim, o bom e velho MS-DOS) você pode: (a) segurar o botão com a marca do Windows no teclado, e juntamente pressionar a letra “R” (a fim de abrir o “Executar” do Windows), e em seguida digitar “cmd” (com ou sem as aspas), clicando em “OK” para concluir; (b) abrir o menu iniciar e digitar “cmd” (no Windows Vista ou superior), e então abrir (dar um clique sobre) o primeiro item que deve aparecer no alto do menu, de mesmo nome; (c) abrir o menu iniciar, procurando em “Acessórios” (do Windows XP ao 7), ou em “Sistema do Windows” no Windows 10, o denominado “Prompt de Comando” (abrindo-o); (d) segurar o botão com a marca do Windows no teclado, e juntamente pressionar a letra “X” (a fim de abrir um menu no qual a citada ferramenta “Prompt de Comando” se encontra).

executar-cmd

2. Execute um comando de teste

Nesta “telinha preta” digite o comando ping /n 50 terra.com.br e pressione “Enter” no teclado. Se a solicitação ping não puder encontrar o “host” solicitado, seu computador não está na Internet. Mas se ocorrem disparos (e um número é informado na primeira linha abaixo do que digitou), então seu computador está conectado.

ping-5-5.jpg

3. Entendendo o teste executado

O teste “ping” envia pacotes de um determinado tamanho para um computador acessível na sua rede, seja ela local ou remota, seja o “host” um domínio ou um endereço numérico. E simulando o que ocorre quando você solicita a abertura de um endereço no seu navegador (Chrome, Firefox, Opera, Edge), ou quando está navegando em um site e solicita a abertura de um “link” ou nova página, este teste chega a ser mais importante do que um teste de velocidade, pois demonstra o tempo que demora para suas requisições irem e voltarem, a grosso modo.

Na prática, você envia cinquenta (concluído em menos de um minuto) ou quinhentos pacotes, e observa o valor do “tempo” que pode demorar de 15 a 1000 milissegundos para ser “processado” pela rede, mas cada “host” (endereço de destino) costuma ter o mesmo “tempo” sempre, exceto por problemas com a sua provisão de Internet ou ainda, por ter algum aplicativo que está “inundando” seu acesso (em geral, aqueles de nuvem ou P2P).

Então se ao fazer o teste proposto, o “tempo” oscila entre 150 e 750 milissegundos, e por vezes, o tempo limite para o “processamento” do pacote na rede expira, então há algo errado com a sua recepção de Internet, o que começa pelo seu cabeamento e depende de toda a malha oferecida pelo provedor contrata. Os provedores que oferecem banda larga por linha telefônica devem garantir que não existem muitos chiados na linha, e você deve checar se cada aparelho telefônico possui um filtro ADSL instalado (do contrário, desconecte o telefone para executar o teste). Os provedores que oferecem banda larga por cabo devem garantir que os cabos possuem o mínimo de divisões e emendas. Existem provedores menores que oferecem banda larga por rádio e cabo de rede local; existem também provedores que usam a rede de telefonia celular para oferecer banda larga, contudo, em todos os casos, a oscilação no “tempo” de resposta deve ser mínima, e a perda de pacotes, nenhuma.

150pc-ping-50

Procure observar no final do teste, as estatísticas, aonde a média do “tempo” será dada, bem como o número de pacotes perdidos. Faça o teste com um “host” diferente e observe que cada endereço tem um tempo, que em média não passa de 300 milissegundos; isto te permitirá saber se há ou não inconstância no sinal, e se há algo físico (cabeamento) ou lógico (aplicativo) tornando a resposta da sua Internet, lenta, o que se traduz em um demoradíssimo acesso a qualquer site, página ou endereço.

4. Resumindo

O teste “ping” não permite saber a velocidade da sua Internet, mas oferece ao internauta uma visão da qualidade do serviço prestado, que desde agora poderá identificar problemas de conexão, dependentes do cabeamento, sinal ou banda em uso por algum aplicativo. Infelizmente poucas operadoras oferecem Internet “full-duplex” para melhor qualidade de recebimento e envio, então se você envia um arquivo grande, como um vídeo em alta definição para o YouTube, seu recebimento é prejudicado, sem contar que a velocidade de envio da maioria dos provedores é de um décimo da velocidade de recebimento.